Crítica | Code 8 – Renegados – Ficção Científica da...

Em um mundo onde as pessoas nascem com superpoderes, a sociedade quase sempre não os recebe bem. Já vimos esse conceito em ‘X-Men’, porém, diferentemente da história da Marvel, no longa de ficção da Netflix, ‘Code 8 – Renegados’, os 4% da população que nasce com algum poder diferenciado os utiliza para sobreviver. Portanto, quem tem uma super força, ou controla a energia elétrica sem se machucar, ou consegue ler mentes, etc, busca trabalhar em empregos na construção civil, onde pode se misturar com os demais e ser útil à sociedade que os discrimina. Ou ao menos é assim que pensa Connor Reed (Robbie Amell) e sua mãe, Mary (Kari Matchett), que está doente. A primeira coisa que ‘Code 8 – Renegados’ deixa claro para o espectador é que seu protagonista “é bom demais para ficar trabalhando ali com os cidadãos comuns”, e, rapidamente Connor junta-se a um grupo de assaltantes poderosos – só que como ele é o “mocinho”, sua motivação nobre é que ele somente enverga para o mundo do crime porque precisa ajudar a mãe, e está cansado de não conseguir dinheiro o suficiente para o tratamento dela se mantendo no mundo honesto.

Esse argumento fraco e pouco motivador é o principal fator que torna o roteiro de Chris Pare tão monótono. Os personagens são construídos de forma a se sentirem superiores uns aos outros, com motivações pouco cativantes e diálogos preguiçosos. As interações entre os superpoderosos são como lutas Pokémon, nas quais o protagonista Connor é tal qual o Pikachu soltando raios supersônicos para todos os lados. 

Crítica | Code 8 – Renegados – Ficção Científica da...

 Crítica | Code 8 – Renegados – Ficção Científica da...

Envie uma Mensagem

Um email será enviado para o proprietário

Entre em Contato

Redes Sociais